Conheça os 5 principais métodos de controle de estoque

Você, como empresário, certamente já sabe que tudo o que está no seu estoque é dinheiro. Por isso, precisa ter cuidado para evitar o desperdício e o mau armazenamento das mercadorias, bem como manter-se atento aos prazos de validade e às próprias demandas do negócio. Afinal, vender e não ter como entregar também é um problema grave — e que pode trazer consequências sérias.

Para que tudo siga conforme o esperado e a sua empresa tenha bons fluxos de distribuição e logística, vamos listar, neste texto, os principais métodos de controle de estoque. Com eles, você poderá ter total ciência do que acontece nessa área, tenha ela o tamanho que for. Acompanhe!

1. PEPS

Primeiro que entra, primeiro que sai — a regra é clara e simples, e evita que as mercadorias perecíveis se percam no estoque por falta de uso no tempo adequado.

Nesse método, o estoque é sempre organizado para que os itens com vencimentos mais próximos sejam alcançados primeiro. Por isso, é um aliado e tanto para confeitarias e padarias, por exemplo.

2. UEPS

Último que entra, último que sai — claramente, esse não é um bom método para as empresas que têm mercadorias perecíveis no estoque, sendo mais utilizado por aquelas que focam no valor dos itens. Dessa forma, se os últimos produtos a chegarem são os mais caros, eles devem ter prioridade na venda.

3. Just in Time

Muito utilizado em tempos de cortes de gastos, o Just in Time é um método que trabalha com o mínimo do estoque.

Vale lembrar que ele só funciona com um controle rigoroso do que entra e sai, além de precisar de fornecedores capazes de entregar um ou mais itens em um prazo muito curto.

Dessa forma, você não perderá vendas ou sofrerá com a ruptura de estoque — quando o cliente se depara com a falta de um produto no momento da compra.

4. Curva ABC

Trata-se de um método de controle de estoque que classifica o que é comercializado na sua empresa a partir do faturamento, da lucratividade e do giro.

A Curva ABC é uma forma interessante de conhecer o seu mix de produtos, já que, muitas vezes, é possível pensar que o item mais vendido é o mais lucrativo — o que nem sempre é verdade.

De forma resumida, os produtos são classificados em:

  • A — os principais;
  • B — itens com giro alto e faturamento razoável; e
  • C — aqueles que não são muito vendidos, mas precisam estar no seu estoque.

A partir dessas informações, o estoque é organizado com base na importância de cada item.

5. Giro de Estoque

É um método matemático e bastante eficiente de avaliar a quantidade do que está armazenado e o número de vendas feitas em um determinado período de tempo.

Por meio do Giro de Estoque, é possível saber, por exemplo, o prazo médio que cada item fica no estoque — ou seja, se estão sendo renovados com a frequência esperada ou parados estragando.

Esses são apenas alguns dos diversos métodos de controle de estoque utilizados por empresas dos mais diversos tamanhos e segmentos. Para as confeitarias e padarias, por exemplo, onde a validade das mercadorias é um fator determinante, o PEPS, a Curva ABC e o Giro de Estoque são bastante indicados.

O Just in Time também é uma excelente solução para não evitar desperdícios e mercadorias paradas, principalmente em tempos de crise, mas é preciso ter cuidado para não perder vendas em cima da hora justamente por não ter os itens em mãos.

Imagine, por exemplo, ter que recusar uma encomenda grande porque você não vai ter chocolate o suficiente? Por isso, tenha sempre um plano b e um fornecedor que possa atender a essas urgências.

Para saber mais sobre como a Mago pode ajudar nos diversos momentos da sua empresa, inclusive fornecendo matérias-primas e utensílios de qualidade com um processo rápido, acesse o site!